Procrastina quem pode

Procrastinação é mais que o adiamento de uma tarefa chata. É a troca de uma tarefa trabalhosa, difícil, chata, que tem prazo para ser entregue (e não é agora) e que se não fizermos, teremos consequências negativas, punitivas, prejudiciais por uma tarefa que gostamos, que não dá trabalho algum para fazer e que tem consequências imediatas prazerosas. Assim, trocamos uma pia cheia de louças para lavar por um episódio de nossa série do momento, trocamos nosso trabalho de conclusão de curso (TCC) por ficar deitado ouvindo música.
A questão é que essa troca funciona: não ficaremos sem comer. Quando não tiver mais louça limpa, lavamos um prato. Quando estiver bem próximo da data da entrega do TCC, viramos noite e entregamos. Nunca será com a mesma qualidade se tivéssemos feito com calma, mas entregaremos.


Mas o que adiamos, continua lá nos aguardando para ser feito e com um adicional: geralmente, nos ocupa ou preocupa durante esse intervalo. Ficamos chateados por estarmos adiando; curtimos o filme e a preguiça, mas sentimos culpa. Aos que não têm problemas práticos (consegue fazer de última hora) e não sentem-se mal, o problema está resolvido. Ao restante, há algo a ser dito.
Alguns pontos contribuem para que tenhamos resistência em fazer algumas tarefas: (1) o quanto ela é trabalhosa, (2) falta de planejamento e (3) falta de clareza na realização do planejamento. Escrever um TCC é um trabalho longo, composto por várias tarefas como: entrar na internet e procurar artigos, imprimi-los, ler dezenas de artigos grifando partes importantes e fazendo anotações, só então, começar a escrever o próprio trabalho. Diante de um trabalho tão grande, soma-se a falta de planejamento ou planejamentos imprecisos como “amanhã, tenho que mexer no TCC”.
Como aumentar as chances disso dar certo? Desmembrar o “mexer no TCC” em várias pequenas tarefas, como foi feito ali acima já ajuda sairmos de uma tarefa enorme para várias tarefas pequenas. Despreocupamos de todas as outra e selecionamos a primeira. Diante da primeira tarefa, vem o planejamento objetivo: amanhã, às 17h, vou ligar o computador e procurar artigos cujo assunto seja tal (o tema do TCC) e salvar na pasta “Artigos para o TCC”. Separe um tempo não muito longo para isso, de 30 a 60 minutos, por exemplo. Terminado, faça alguma daquelas tarefas que gosta: assistir um episódio da série, ficar deitado ouvindo música, etc. Sobre a pia cheia de louças para lavar, um opção na divisão das tarefas é dividir por utensílios. Lavar apenas alguns copos ou apenas uma penela. Depois de horas ou no dia seguinte, lavar apenas alguns pratos. Isso pode ser feito ouvindo música ou um podcast.
Lembre-se: tarefas pequenas, objetivas e intercaladas com atividades prazerosas causam menos resistência.

Sobre o Autor
Ricardo R. Borges é Psicólogo Clínico Comportamental – com consultório no CEMEB – Centro Médico Bueno – Goiânia, GO.
Especialista em Psicopatologia pela PUC GO

Sugestões de leitura

  1. KERBAUY, R. (1997). Procrastinação: Adiamento de tarefas. In: R. A. Banaco (Org.), Sobre o comportamento e cognição: Aspectos teóricos, metodológicos e de formação em análise do comportamento clínico e terapia cognitiva (pp. 393-398), Santo André, SP: ESETec Editores Associados.

Deixe um comentário